Follow by Email

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

UM RANKING DAS NOVAS TERRAS


São mais de mil os planetas conhecidos fora do Sistema Solar, e o satélite Kepler, da Nasa, descobriu mais de 3.500 outros candidatos, dos quais pelo menos 90% devem ser mundos reais orbitando outras estrelas. Mas quão perto estamos de encontrar legítimos gêmeos da Terra, capazes de abrigar vida?

O grupo do Laboratório de Habitabilidade Planetária, da Universidade de Porto Rico em Arecibo, responde a essa pergunta com um ranking que mostra quais mundos descobertos até agora são os mais parecidos com o nosso mundo.

Para compará-los, a equipe lança mão de um artifício criado pelo astrobiólogo Dirk Schulze-Makuch, da Universidade Estadual de Washington, nos EUA. Em 2011, ele propôs a criação de um Índice de Similaridade com a Terra (IST). É um número, com valor entre 0 e 1, que leva em conta fatores mais ou menos conhecidos entre os exoplanetas – massa, raio e temperatura – para compará-los com o terceiro planeta a contar do Sol.

O sonho dos astrobiólogos, claro, é encontrar um planeta cujo índice seja 1 — um virtual gêmeo terrestre. Até o momento, eles tiveram de se contentar com menos. Dê uma olhada na ficha técnica dos 12 mundos identificados até agora (alguns deles sem existência completamente confirmada) como os mais parecidos com o nosso. Para criar um suspense, coloco a lista do menos parecido para o mais parecido.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Gigantopithecus, o verdadeiro King Kong!



Os gigantopithecus foram os maiores primatas a caminhar sobre a Terra, podendo atingir o dobro do tamanho dos gorilas modernos. Foram extintos há cerca de 100 mil anos, e viviam na região que hoje engloba a China, a Índia e o Vietnam.

Existiram três espécies destes titãs: G. bilaspurensis (os mais antigos, cujos fósseis remontam ao Mioceno), G. giganteus (não tão grandes quanto seu nome sugere) e G. blacki (estes sim, enormes, chegando a medir 3m de altura e pesar meia tonelada). Sua dieta era provavelmente herbívora, e deviam se assemelhar ao orangotango - embora, dado seu tamanho, deveriam ter um estilo de vida e forma de locomoção semelhante aos dos gorilas.

Como humanos e Gigantopithecus coexistiram durante um bom período, alguns pesquisadores acreditam que um dos motivos de sua extinção deva-se à competição com nossos ancestrais.